IMPRESSÕES FINAIS #09: Temporada de Verão (2018)

Como prevíamos, a temporada de verão de 2018 foi fraca. Além da grande decepção chamada Hanebado!, não chegamos a acompanhar nenhuma obra que fosse incrivelmente ruim, mas também não houve destaques. Pro bem ou pro mal, a temporada se encerrou morna. Nesta postagem constarão nossas impressões finais dos seguintes títulos (incluindo Boku no Hero Academia 3, que teve início um trimestre antes): Angolmois: Genkou Kassenki, Asobi Asobase, Free!: Dive to the Future, Hanebado!, Harukana Receive e Major 2nd. Banana Fish e Shingeki no Kyojin terão dois cours, então as impressões finais destes ficarão para a próxima temporada.

Angolmois: Genkou Kassenki [Mari]


Angolmois: Genkou Kassenki dividiu opiniões. A galera que é fã de obras históricas pareceu ter gostado bastante, mas quem não curte o gênero tanto assim acabou considerando o anime chato. Esse tipo de coisa acontece sempre que uma adaptação histórica vai ao ar, então de fato não me surpreende. De qualquer forma, eu acredito que Angolmois fez jus à sua proposta.

Embora a qualidade da animação dos episódios seguintes à estreia tenha decaído visivelmente, ela ainda se manteve consistente ao longo da transmissão. O elenco de personagens é variado e há um cuidado especial na retratação de personagens femininas – o fanservice é basicamente inexistente e elas são levadas a sério como guerreiras, executando papéis importantes para o desenrolar da trama.

Angolmois, apesar de ser focado em um evento histórico (a invasão Mongol), aborda outras temáticas. Por exemplo, quando se fala em guerra, frequentemente se pensa em heróis, glórias e tesouros obtidos, mas aqui se mostra os horrores de um evento como esse. Não só a dor de perder entes queridos, como de ter vilas e cidades inteiras destruídas, a sensação desesperadora de não saber o que será do futuro, as situações que levam as pessoas a traírem umas as outras em troca de sua sobrevivência, a incapacidade de salvar a todos, entre outras questões. São pontos que, na minha opinião, o anime adaptou bem, ainda que melhorias pudessem ser feitas se houvesse mais tempo de tela.

Eu acredito que cabe um aviso de que algumas cenas são realmente grotescas – embora o estilo artístico dê uma amenizada –, o que pode deixar algumas pessoas desconfortáveis. No entanto, se derramamento de sangue não te incomoda, eu diria pra dar uma olhada nessa obra. 

8.0/10


Asobi Asobase [Mari]


Escrever sobre Asobi Asobase em termos gerais de uma forma que não fique repetitivo é difícil porque eu acredito que já falei tudo que era de fato importante nas minhas primeiras impressões da adaptação. Considerando que a história é episódica, para falar detalhadamente eu teria que ter feito impressões semanais, mas ainda assim eu não vejo muito sentido em fazer isso já que Asobi Asobase é uma comédia absurda que trabalha com quebra de expectativas e, ao falar o que acontece no episódio de antemão para um espectador em potencial, parte da graça se perde. Sendo assim, caso tenha achado a proposta interessante ao ler minhas primeiras impressões, recomendo que assista o anime porque aquilo que você vai ver no primeiro episódio é como a obra será em seu desenrolar.

8.0/10


Boku no Hero Academia 3rd Season [Ana]


É inegável que Boku no Hero Academia é o queridinho do momento. Por ser um shounen, de fato não há nada extremamente inovador em sua fórmula, no entanto, algo faz com ele seja tão atrativo. Acho que em grande maioria isso se dá pelos personagens, que são individualmente construídos e desenvolvidos. E vale comentar que temos uma boa caracterização não apenas dos estudantes e heróis, mas também dos vilões.

Tratando-se dessa temporada em específico, acredito que ela manteve a qualidade das anteriores, trazendo novos conflitos e avançando no desenvolvimento dos personagens. Podemos dizer que tivemos dois grandes arcos, um que resulta na luta do One for All x All Might, em que o All Might definitivamente perde a capacidade de usar o poder e passa essa responsabilidade totalmente para o Midoriya. Inclusive foi bastante interessante ver que a pessoa que passou os poderes para o All Might era uma mulher. Ainda nesse arco, Bakugo foi sequestrado, o que gerou uma comoção dos seus colegas, que se organizaram para o seu resgate, e foi bem legal ver que além do Kirishima, Iida, Midoriya e Todoroki, a Momo teve uma participação importante nesse arco.

O arco seguinte envolveu o exame para Licença Profissional de Herói, em que houve a introdução de diversos outros estudantes de outras escolas, muitos desses bastante carismáticos, outros nem tanto, o que nos fez torcer para que todos os estudantes da U.A. conseguissem suas licenças. É muito ridículo pensar que até o inútil e asqueroso do Mineta conseguiu a licença, mas o Todoroki e o Bakugo não. O final desse arco resultou em mais uma luta entre Bakugo e Midoriya, iniciada pelo Bakugo ao se dar conta de que o Midoriya havia recebido seus poderes do All Might, mostrando que apesar do desenvolvimento do personagem, ele ainda possui conflitos a serem resolvidos.

Os últimos dois episódios foram mais dedicados a deixar ganchos para a próxima temporada, introduzindo os personagens que são chamados de "The Big Three", os três melhores estudantes do terceiro ano da U.A., o que mostra que os estudantes do primeiro ano ainda têm muito a se desenvolver.

Acredito que a temporada conseguiu mostrar um desenvolvimento em vários aspectos dos personagens, embora as garotas em geral e os outros estudantes da classe 1-A fiquem meio que em segundo plano, a maioria deles tem seus momentos de importância e participação nos conflitos da história. Agora fico aguardando a próxima temporada para poder acompanhar mais desses personagens que gosto tanto, e ver quais serão os próximos conflitos e serem enfrentados.

8.5/10


Free!: Dive to the Future [Ana]


Antes de mais nada, gostaria de dizer que eu gostei dessa temporada de Free!, no entanto a achei um tanto inferior às outras já lançadas, embora seja uma boa continuação. Acho que pelas outras possuírem conflitos mais pontuais, ainda que essa também tivesse, muitas histórias difusas aconteciam no mesmo universo, e a meu ver aqui foi menos denso e empolgante. Talvez por terem reservado muitos episódios para estabelecer os novos personagens e os conflitos, e os episódios finais terem soado meio corridos. Outro ponto é que o conflito em si é bem semelhante ao da primeira temporada, só que agora com o Ikuya tendo que superar os seus traumas e o Haru e os outros mais uma vez mostrando a importância da amizade.

Ainda, essa temporada mostrou como o universo da natação pode ser bastante competitivo. Enquanto Haru treinava para o All Japan Invitational Tournament, ele conhece nadadores melhores, capazes de abalarem o emocional. É bastante legal quando chega o torneio em si e é possível ver todos os personagens competindo, e que o poder do protagonista nem sempre vai fazer com que eles vençam, o que torna a adaptação mais realista. Outros pontos que considerei legais foram ver como o Makoto realmente se dá muito bem sendo professor de natação e o desenvolvimento de seus alunos, e o fato de terem introduzido uma garota como nadadora – que inclusive é irmã dos Mikoshiba – e não apenas como manager dos clubes de natação.

Assim, Free! Dive to the Future, consegue cumprir o que promete, ou seja, o início do futuro de Haru, Makoto, Rin, entre outros, trazendo novos conflitos a esses, sem deixar os outros personagens que ainda estão no ensino médio de lado. No entanto, alguns altos e baixos como eu citei anteriormente talvez tenham tornado essa temporada um tanto inferior a anterior, mas ainda assim, boa de se acompanhar.

7.5/10


Hanebado! [Mari]


Por mais que me doa dizer isso, Hanebado! foi a maior decepção da temporada pra mim. A adaptação é um exemplo perfeito de potencial desperdiçado. O elenco variado de personagens permitia que diversos pontos de vista fossem abordados, mas muito pouco disso foi de fato explorado no anime, que resolveu focar na dupla principal e nem isso conseguiu fazer direito. Em geral, os personagens de Hanebado! são mal escritos e as relações entre eles são superficiais - a única a ter algum desenvolvimento real foi a Nagisa. 

O anime passa bastante tempo expondo o relacionamento que a Ayano tem com o badminton e como isso afetou a relação que ela tinha com a sua mãe. O trauma faz parte da pessoa que ela se tornou, porém não sabemos o motivo de ela ter sido abandonada até os episódios finais. Eu esperava que houvesse um motivo MUITO BOM para uma mãe abandonar a filha daquela forma, mas... acabou que era apenas uma maneira de tornar a Ayano "melhor". Àquela altura, o roteiro de Hanebado! passou a ser um insulto à nossa inteligência. A Connie, por quem Ayano foi "trocada", aparece pouco e quando aparece tem uma mudança drástica de personalidade de um episódio pro outro, que vai de "vou te destruir" pra "quero que sejamos uma família" num piscar de olhos, e fica por isso mesmo. É uma bagunça completa e sequer temos por que nos importarmos com essas personagens.

Referente à parte técnica, já era de se esperar que a animação não conseguiria manter a mesma qualidade do primeiro episódio, mas a disparidade ficou visualmente clara e incômoda na reta final. O character design é muito bonito e as partidas em geral eram divertidas de assistir, porém esses acabaram sendo os únicos pontos positivos da obra. Eu não li o mangá, mas pelos comentários que vi, essa adaptação foi na verdade um grande desserviço ao material original.

6.0/10


Harukana Receive [Ana]


Harukana Receive, adaptação do mangá de mesmo nome que possui atualmente seis volumes (e que foi licenciado recentemente pela Seven Seas Entertainment), nos traz uma história centrada no vôlei de praia feminino, sem envolver conflitos ou questões muito profundas, tornando-o leve e divertido de assistir. O que mais me deixava com o pé atrás era a quantidade de fanservice que poderia acontecer no decorrer da adaptação. Entretanto, ficou visível que essa questão foi diminuindo no desenrolar dos episódios. Durante os jogos da competição as personagens passam a usar o uniforme esportivo tipicamente usado em jogos de vôlei de praia, assim cortando as cenas de peitos pulando, embora ainda tenha uns focos nas bundas já que os sinais das jogadoras para suas colegas são passados dessa forma.

Em relação à história, o anime consegue mostrar bem o desenvolvimento das personagens, tanto individualmente quanto na relação entre as duplas. Contudo, por se tratar de um anime de 12 episódios, é normal que por mais que tivesse mais coisas a se explorar, o foco principal ficou em apresentar a melhora de Haruka e Kanata no esporte, principalmente a Haruka por ser uma iniciante, e o desenvolvimento das relações entre as personagens em geral. Claire e Emily, uma dupla de irmãs que também joga vôlei de praia, se tornam amigas de Haruka e Kanata, e passam a treinar juntamente com elas, ensinando-lhes várias coisas, e essas duas duplas acabam se enfrentam na final do campeonato. Aqui chegamos a um ponto em que gostamos tanto das personagens que mal sabíamos para quem torcer, e o anime soube manter o suspense e não entregar fácil quem venceria e iria para o campeonato nacional.

Harukana Receive foi um dos poucos animes que o estúdio C2C ficou responsável, mas apesar disso, fez um bom trabalho, mantendo a consistência da animação na maior parte das cenas. Ainda, as escolhas das cores e a trilha sonora são capazes de trazer um maior envolvimento para o universo. Como eu citei anteriormente, foi um anime leve e divertido de se acompanhar, que infelizmente não teve uma recepção tão boa no geral, o que eu acredito que dificilmente nos faça ter uma segunda temporada (embora eu gostaria muito que tivesse para que pudéssemos acompanhar as meninas no campeonato nacional e o seu desenvolvimento). Relevando os momentos de fanservice, eu ainda recomendo o anime para quem procura ver uma obra de esporte feminino.

7.0/10


Major 2nd [Mari]


Da mesma forma que eu não esperava o anúncio de uma continuação de Major em anime depois de tanto tempo, eu também não estava preparada para o fim repentino de Major 2nd, que até uma ou duas semanas atrás ainda não tinha o número de episódios confirmado. Eu suspeitava que teríamos três cours, mas infelizmente me enganei e agora só me resta torcer por uma segunda temporada, pois o episódio 25 acaba em uma parte que nos deixa com o famoso gostinho de "quero mais".

Em relação ao seu predecessor, analisando de uma maneira mais ampla, eu ainda diria que o Major original é melhor. No entanto, se compararmos Major 2nd ao seu semelhante (primeira temporada, quando o Goro tinha mais ou menos a mesma idade que o Daigo), posso afirmar tranquilamente que Major 2nd me divertiu mais. Parte disso tem a ver com o elenco, que é mais variado e interessante do que o de Major S1, a começar pelos colegas de time e rivais. Nesse sentido, porém, o ponto forte de Major 2nd, na minha opinião, diz respeito às personagens femininas. Ao contrário do tratamento que é dado a Kaoru no Major original (que apesar de gostar do esporte, era fundamentalmente "o interesse amoroso do Goro" e nada mais), aqui as personagens femininas são atletas de verdade, tão boas e relevantes para o enredo quanto os meninos (a Sakura, por exemplo, é uma rebatedora muito melhor do que seus colegas de time e a Michiru é o Ás de um dos times mais fortes da série). Existe um respeito mútuo entre as meninas e os meninos e eles disputam em pé de igualdade por uma posição no time titular de suas respectivas equipes.

No tocante à parte técnica, eu acredito que Major 2nd não ficou muito atrás do original. Os últimos episódios tiveram alguns momentos de QUALITY™, mas isso é esperado de uma adaptação que correu por seis meses seguidos (talvez até por isso tenham decidido acabar no episódio 25). A equipe também faz um bom uso da trilha sonora e sabe o momento certo de pisar no nosso coração com o tema de Major S1, mas é claro que Major não seria Major se não houvesse sofrimento envolvido – esse, inclusive, é outro ponto forte da obra: a maneira com a qual os personagens esbarram em obstáculos e encontram formas de superá-los. Na vida desses personagens, o beisebol não é só um esporte, mas uma motivação, uma força motriz, e é incrível ver como eles crescem como pessoas ao mesmo tempo que vão desenvolvendo suas habilidades com o esporte e lidando com as mais diversas situações e desafios.

8.5/10