PRIMEIRAS IMPRESSÕES #05: Temporada de Verão (2017)

Eu honestamente não sei como começar essa postagem a não ser com um "ASLKDJLÇSAKDJA!!!!!!!!!!" porque finalmente estou sentindo que uma boa temporada de animes está a caminho! O ano começou fraco, com poucos títulos de qualidade se excetuarmos continuações, mas a temporada de verão de 2017 está com algumas propostas interessantes e eu espero que não nos decepcionemos.

A princípio, a equipe do Rukh no Teikoku selecionou dez títulos para acompanhar ao longo dos próximos três meses. São eles: Ballroom e Youkoso, DIVE!!, Kakegurui, Katsugeki/Touken Ranbu, Keppeki Danshi! Aoyama-kun, Made in Abyss, Shoukoku no Altair e THE REFLECTION.

Ballroom e Youkoso [Ana]


Sinto que o hype valerá a pena. Com o mesmo character design de Haikyuu!! (o que nos leva a algumas semelhanças físicas entre os personagens), temos esse anime que vai nos mostrar um pouco sobre dança de salão (e competições).

Tatara é um aluno do ensino fundamental que ainda não sabe bem o que quer da vida, sendo questionado pela escola se realmente não há nada pelo que ele se interesse. Ao ser abordado por alguns garotos que queriam roubar seu dinheiro, ele é salvo pela chegada de Sengoku, que posteriormennte, ao ser arrastado para o estúdio, descobre ser um dançarino profissional. No estúdio ele também encontra Kiyoharu, uma garota (maravilhosa e que lembra a Kiyoko) da sua escola e descobre que ela é um prodígio na dança.

Foi engraçado e interessante ver que mesmo após ter recém descoberto a dança, Tatara teve bastante determinação ao ficar a noite toda treinando apenas um movimento, e que sua determinação de querer ser um dançarino profissional como Sengoku o irritou, e além de tudo conseguiu fazer o movimento perfeito. Isso nos mostra que o personagem tem uma grande capacidade de desenvolvimento (afinal, a motivação principal ele é sua sede por mudança a nível pessoal).

Os personagens são bem interessantes e aparentemente teremos uma boa animação (embora os pescoços pareçam exagerados na hora das coreografias), por isso mal posso esperar pelas competições de dança, pelas músicas, figurinos e tudo mais que o anime pode oferecer.

★★★★

DIVE!! [Ana]


Das pessoas que eu conversei, o medo disso aqui ser um Battery 2.0 era generalizado, mas depois dessa estreia eu estou com medo de que vire um Yuri!!! on ICE 2.0. Digo isso porque aparentemente o foco será no protagonista Tomoki e no Youichi, e esse episódio mostrou que o protagonista tem uma grande admiração pelo Youichi, sendo inclusive ele o que o impulsionou a querer começar a treinar.

Pela maneira que foi tratada, essa admiração pode dar pano pra uma interpretação com sentido mais amoroso. Embora o Tomoki pareça um baby precioso quando criança, depois ele demonstra ter umas atitudes escrotas, como aceitar namorar uma menina que ele não queria e ficar arrastando o relacionamento e tratando a menina mal, só porque não tem coragem de terminar com ela pelo que os outros vão pensar.

Em contrapartida, acho legal explorar um esporte não muito comum, e que os alunos do clube tenham o objetivo de revivê-lo treinando para as Olimpíadas. Embora não seja tão original, contamos com a participação da nova treinadora que além de ser um mulherão da porra, vai botar esses moleques pra treinar pesado. Não posso deixar de comentar que a animação e estética do anime estão muito bonitas e temos vários seiyuus de excelência no cast, dessa forma eu realmente espero não me decepcionar.

★★★

Kakegurui [Mari]


Eu nem sei por onde começar a escrever as primeiras impressões de Kakegurui. Esses 24 minutos iniciais foram tão loucos que eu nem vi o tempo passar e quando me dei conta já estava dando de cara com uns peitões no encerramento... Mas bem, comecemos pelo óbvio: a proposta.

A história de Kakegurui se passa no Colégio Particular Hyakkaou, uma instituição para pessoas privilegiadas com um currículo peculiar, onde a arte de negociar e a capacidade de se fazer e ganhar apostas são o que define a posição de cada estudante (vencedores vivem como reis e perdedores são tratados como subumanos). O primeiro episódio situa o espectador, apresentando-o ao ambiente e introduzindo os personagens principais: Jabami Yumeko (estudante que acabou de se transferir para o colégio), Saotome Meari (a "líder" da turma para qual Yumeko foi transferida) e Suzui Ryouta (colega de classe de Yumeko e o "animal de estimação" de Meari).

Yumeko é uma apostadora compulsiva (daí o título Kakegurui) e sente prazer ao correr riscos. Nesses 12 episódios, acompanharemos suas aventuras nessa nova instituição, onde ela enfrentará os membros do Conselho Estudantil um a um. Algumas coisas se destacaram na minha opinião: a abertura com um visual diferenciado (feita por ninguém menos do que Yamamoto Sayo, diretora de Lupin The Third: Mine Fujiko to Iu Onna e Yuri!!! on ICE), as caretas dos personagens (loucas, mas acima de tudo, hilárias) e a atuação de Hayami Saori como Jabami Yumeko. A protagonista é diferente de todos os papéis que a Hayamin já fez em toda sua carreira e ainda assim a atuação foi excelente! Eu já tinha me surpreendido com o PV, mas não vou me cansar de vê-la desafiar a si mesma nesse papel a cada novo episódio de Kakegurui.

Aliás, falando em dubladores, aqui vai um fato curioso: com exceção de Hayami Saori, Ise Mariya, Sugita Tomokazu e Sawashiro Miyuki, todo o resto do cast é composto por novatos (uns com poucos papéis e outros estreando). Até brinquei com uma amiga minha que a produção gastou todo o orçamento da dublagem com esses quatro nomes de peso e aí só sobrou dinheiro suficiente para contratar novatos para os outros papéis (ainda assim, ficarei na torcida para que todos exerçam suas funções com excelência). Me preocupa que o estúdio MAPPA esteja animando três obras ao mesmo tempo (Shingeki no Bahamut: Virgin Soul, Kakegurui e Shoukoku no Altair), mas espero que a animação não decaia do jeito que aconteceu com Yuri!!! on ICE. No mais, resta-nos apenas esperar para ver que loucuras a Yumeko cometerá em seu novo colégio!

★★★★

Katsugeki/Touken Ranbu [Mari]


Baseado em um jogo online de cartas, o anime de Katsugeki/Touken Ranbu se passa no ano de 2205, quando os ameaçadores Revisionistas Históricos enviaram seu Exército do Tempo Retrógrado ao passado com o objetivo de alterar o curso dos acontecimentos históricos para cumprir seus fins misteriosos. No intuito de combater essa ameaça, um rapaz conhecido como Saniwa utiliza o espírito de armas legendárias e as manifesta como Tsukumogami, para de lutar contra a força dos Revisionistas Históricos.

O primeiro episódio inicialmente nos apresenta à dupla Horikawa Kunihiro e Izuminokami Kanesada, que foram enviados para o século XIX por Saniwa com a missão de defender a História. Algumas coisas se destacaram nessa estreia: a animação acima da média do estúdio ufotable (que já era esperado, devido ao tempo em que estavam segurando esse lançamento), sobretudo nas cenas de ação e os cenários de tirar o fôlego. Embora eu tenha me sentido um pouco perdida durante o episódio por não possuir conhecimento do material original (ou do período histórico em si), acredito que certos pontos tenham sido omitidos de propósito para serem explicadas futuramente, quando a obra já tiver prendido a atenção dos espectadores. Outros personagens também foram introduzidos no decorrer desses 23 minutos iniciais e a obra terá um elenco bem bacana para trabalhar.

Além de ter gostado de adaptações anteriores feitas pelo estúdio, também sou amante de História e de aprender coisas novas, então certamente continuarei a assistir Katsugeki/Touken Ranbu.

★★★

Keppeki Danshi! Aoyama-kun [Ana]


Em meio a tantos animes que trazem esportes como temática, Keppeki Danshi! Aoyama-kun tem um diferencial em sua abordagem. Nosso protagonista, Aoyama, é um garoto que tem compulsão por limpeza, e faz de tudo para não se sujar, mesmo sendo um jogador do clube de futebol.

Logo no primeiro episódio já tivemos algumas situações cômicas envolvendo esse fato, como quando os colegas querem parabenizá-lo por um gol e ele se desvia a todo custo ou quando um dos colegas pede para que Aoyama vista a camisa que ele usou durante o jogo e obviamente o Aoyama sai correndo - me arrancando diversas risadas. Entretanto, sem querer ser chata (mas já sendo), não acho que seja legal levar essa característica como cômica o tempo todo. No caso do Aoyama, por ser bonito, as garotas estão sempre atrás dele gritando como ele é legal, mas na vida real, pessoas que têm compulsão por limpeza, ou compulsões em geral, têm diversos problemas devido a isso, e são tratadas como loucas. O garoto passa horas após o jogo limpando as bolas até elas estarem brilhando e isso é tratado como legal… Acho que nesse sentido o anime peca um pouco, mas acredito que a abordagem não chegará a ser prejudicial.

Outro fato que achei bacana é que quem treina o time é uma garota. É sempre bom ter um pouquinho de representatividade nesses espaços que são dominados por homens. O restante dos personagens me pareceu bem agradável, tirando um dos jogadores que fica mostrando os músculos do abdômen o tempo todo.

Além dos personagens e dos momentos cômicos, a estética do anime está bem bonita, uma animação com poucos deslizes e uma ótima trilha sonora. Com isso, tem tudo pra ser algo acima da média, mesmo com a minha pequena crítica levantada.
★★★★

Made in Abyss [Gabriel]


Made in Abyss conta a história de Riko, uma garota de doze anos exploradora aprendiz de cavernas, que sonha em ter o rank de apito branco para poder seguir os passos de sua mãe, Lyza, a lendária exploradora de cavernas. Em uma de suas aventuras, ao tentar salvar o seu amigo, ela é perseguida por um monstro gigante e é salva por um robô com aparência de uma criança.

O primeiro episódio nos mostra um pouco como é o mundo onde os personagens estão inseridos, com alguns dos seus perigos. A Riko, personagem principal, é muito fofa e bem determinada - logo no seu primeiro dia ela já deseja se destacar para poder avançar mais e mais no abismo. A animação do estúdio Kinema Citrus está muito bonita e a trilha sonora está muito legal, com um tema de abertura bem calmo e gostoso de ouvir. O elenco de dubladores está fazendo um ótimo trabalho com os personagens.

A partir de agora, ficaremos no aguardo para descobrir quem exatamente é a mãe da Riko e o que aconteceu com ela, quem é o Regu e de onde ele veio, e se a protagonista conseguirá ir mais fundo no abismo.

★★★★

Shoukoku no Altair [Mari]


Bem, me parece que Arslan Senki e Magi: The Labyrinth of Magic tiveram uma deliciosa noite de amor, dando assim luz a Shoukoku no Altair, outro shounen histórico com elementos de aventura e fantasia. Baseado no mangá de Katou Kotono, vencedor da categoria de shounen na 41ª edição do Kodansha Manga Award, Shoukoku no Altair segue a história de Tughril Mahmut, o garoto mais jovem a ascender à posição de paxá e servir ao Divã da Estratocracia da Turquia, que está determinado a defender sua nação a qualquer custo.

Marcado pela terrível violência da guerra de doze anos atrás, seu jeito sério esconde a face de um garoto que ainda se sente inseguro em relação ao que realmente é capaz de atingir. Entretanto, quando um ministro do Império de Balt-Rhein é assassinado por flechas que carregam o brasão da Turquia, uma nova guerra parece se tornar inevitável. Visto por seus compatriotas como um idealista ingênuo, Mahmut terá que agir rapidamente para exonerar seu país se quiser evitar mais uma guerra total.

O primeiro episódio de Shoukoku no Altair trata de estabelecer o principal conflito da trama: as tensões políticas entre a Turquia e o Império de Balt-Rhein, cujo exército é pelo menos dez vezes maior do que o turco. Ambos os países estão prestes a entrar em uma guerra generalizada, que envolverá todo o continente, e cujos interesses ainda não foram revelados. Nesses 24 minutos iniciais, conhecemos um pouco a história do protagonista e somos apresentados a alguns membros relevantes do Divã, além de descobrirmos um dos vilões da obra.

Alguns pontos de destaque da estreia foram: a ambientação histórica, a trilha sonora (inclusive a banda que canta a abertura, SID, é a mesma das primeiras aberturas de Magi) e a animação do estúdio MAPPA (consistente até o momento, embora eu já tenha descrito minhas preocupações em um comentário anterior). A única coisa que não funcionou muito bem no episódio de estreia foi o ritmo, visivelmente apressado, nos passando a sensação de ter um balde de informações a ser despejado sobre nossas cabeças. A adaptação já foi confirmada com dois cours, por isso não há necessidade da equipe correr e espero que corrijam esse erro nos episódios seguintes. No geral, a proposta do anime é interessante e por ter estudado diversos teóricos que publicaram livros sobre a Paz e a Guerra nesse último semestre, estou ansiosa para descobrir como Shoukoku no Altair desenrolará essa questão.

★★★★

THE REFLECTION [Gabriel]


Bem, THE REFLECTION não foi exatamente o que eu esperava, mas não foi uma estreia ruim, apenas normal. Entretanto, preciso falar sobre alguns pontos.

O anime se passa na Terra, onde três anos antes ocorreu um fenômeno chamado de The Reflection, que levou algumas das pessoas atingidas pelos seus raios e fumaça a sofrer com efeitos colaterais. O episódio inicia com uma luta entre um super-herói em uma armadura, mais tarde conhecido como I-Guy, e dois monstros que lembram um sapo e um morcego. A animação das lutas não tem muita fluidez, o que acaba fazendo com que elas não sejam empolgantes. No entanto, talvez essa falta de fluidez seja proposital para deixar a animação parecida com uma história em quadrinhos. Os diálogos são meio lentos nesse primeiro episódio e não acontece muita coisa, e a história parece que vai ser desenvolvida lentamente.

Devo dizer que o estilo de animação é bem diferente do que estamos acostumados a ver e isso me agradou bastante, mas não deve agradar muito os fãs de anime (basta dar uma passada nos comentários do primeiro episódio no MyAnimeList para ter certeza disso). A trilha sonora também está legal, e o tema de encerramento é do grupo 9nine. Enfim, espero que a história se desenvolva mais, afinal, temos Hiroshi Nagahama (Aku no Hana, Mushishi) como diretor e estou certo de que ele vá fazer um bom trabalho.

 ★★★